quinta-feira, junho 29, 2006

Histórias dos Nomes das Vias - Introdução

O Cantinho dos teimosos (revisited)
O segredo dos nomes

A Isabel (Bolinha, Belinha, Bola, etc.) pediu-me para contar algumas das histórias que deram origem a alguns nomes das vias do Portinho. Pois bem, aceitei. Mas antes, e mesmo correndo o risco de não ser compreendido por todos, aqui vai uma sucinta introdução à importância dos nomes.

Hoje em dia está na moda escalar para somar vias ao caderninho, de papel ou electrónico, como quem enche chouriços. No entanto, não basta aviar metros ou movimentos, como galinhas em série que papam vias num aviário. As vias tem uma história e uma personalidade própria e não é suficiente encadeá-las é preciso conhecê-las. Não há maior sinal de pobreza (a ignorância é a maior das pobrezas!) do que a desconsideração de nos referirmos a alguém como “o gordo, o magro, a namorada daquele, o cota, o puto, o coiso, o caixa-de-óculos...” ou em relação às vias “o 7a, o 7b, ao lado do oitavo, aquela do passo duro, do bidedo invertido, do run-out...”. Já tenho ouvido calhaus vagamente alfabetizados dizer “fiz aquela cagada de 6c na serra”, acontece que muitas vezes essas pedras são mais interessantes do que quem põe as mãos nelas.

Transformar um desafio, que é um espelho de nós próprios, num número, quer seja um bloco, uma via ou uma montanha, num sexto, sétimo ou 8000, é ver nesse espelho um macaco! E nisto é que reside a diferença entre agarrar presas de resina e de rocha, entre a força bruta e a força anímica, no fundo entre escalar um mundo morto ou um mundo vivo. E precisamente porque escalamos um mundo vivo não o podemos reduzir a um número, uma quantidade, mas já um nome representa uma essência, uma qualidade. Este é o segredo dos nomes. São símbolos do que nomeiam e têm em si o mistério da sua essência... Bom, como dizia Fernando Pessoa, compreenda quem puder!

Agora, depois desta introdução vagamente metafísica e eventualmente deslocada devido à perplexidade da plateia, podem ficar sintonizados aqui ao blog da Bola (ainda que não passe futebol) que as histórias hão-de vir, mas a prestações, que a vida é mais complexa e exige mais do que escrever ao computador ou perder energia na resina.

Nota para os blogonautas: Apesar de um blog ser como uma parede de casa de banho, onde um desconhecido egocêntrico não resiste a deixar um rasto e escrevinhar o que lhe vem à cabeça numa exibição despudorada de si próprio, existem alguns espaços que fazem falta no meio de todo o lixo cibernético. A questão a que cada um deveria responder é esta “faço parto do lixo ou acrescento alguma coisa de positivo?”.

by Filipe Costa e Silva

9 Comments:

At 29 junho, 2006 11:19, Anonymous Marcio Parente said...

Muito bem. Totalmente de acordo.

 
At 29 junho, 2006 12:03, Blogger Hewaz said...

quem escreve assim nao é gago!!!
curti bue as tuas palavras e para mim fazem muito sentido... fico a espera das historias!!!

PS: eu gosto muito do portinho da arrabida, mas acho que ha historias muito boas por todo o pais, temos mesmo de ficar pela fenda????

xau xau

 
At 29 junho, 2006 12:17, Blogger Isabel said...

Vão surgir histórias de todos os cantos do país! ;)

 
At 29 junho, 2006 12:54, Anonymous Grillo said...

Genial!! Uma vez mais brilhante! Nem mais...!!

 
At 29 junho, 2006 14:46, Anonymous nuno said...

Irra!!! Este gajo diz mal de tudo e de todos com muita classe!!!

 
At 03 julho, 2006 09:48, Anonymous Hugo Peniche said...

Sinto-me tal qual como naquele momento em que, na tal casa de banho e no meio de tantas assinaturas e banalidades, como que umas quantas palavras parecem fazer todo o sentido e explicar o porque de fazermos o que fazemos, de sermos como somos e apaixonarmo-nos por algumas coisas nesta vida.
É isso mesmo Filipe!
um abraço

 
At 05 julho, 2006 10:26, Anonymous R. said...

Para mim o nome exprime necessidade de mostrar diferença, individualidade, importância...

Se não agruparmos coisas em sacos iguais e considerarmos tudo como diferente e individual, ou temos uma capacidade ilimitada ou chegamos a um ponto em que já não conseguimos encaixar mais nada!

Por isso... cada um que atribua um nome ao que acha importante e não podemos levar a mal que "a hierarquia das coisas" deste ou daquele seja diferente da nossa.

Concretamente, para mim há Vºs, 6ºs e 7ºs que não passam, para mim, disso mesmo e outros que merecem nome e até alguma curiosidade quanto à sua história.

Chamem-lhe diferentes capacidades, eu chamo-lhe diferentes perspectivas!!

Abraço

Ricardo Belchior

 
At 20 julho, 2006 17:56, Anonymous Anónimo said...

Interesting site. Useful information. Bookmarked.
»

 
At 22 julho, 2006 04:29, Anonymous Anónimo said...

I find some information here.

 

Enviar um comentário

<< Home