segunda-feira, janeiro 08, 2007

Vias com ambiente

Existem vias e vias, aquelas que têm chapas de metro a metro, em que temos de ir carregados até ao tutano com todas as expresses que temos e mais alguns mosquetões de segurança, e algumas vezes, somos mesmo obrigados a desmontar as expresses numa arte manhosa de chapar com mosquetões, e existem outro tipo de vias, em que apenas precisamos de levar 4 expresses para chapar os 20 metros de escalada que nos esperam, são vias equipadas “com ambiente”.
.
É o equipador que tem a faca e o queijo na mão e como nesta terra onde os escaladores são poucos e os equipadores muito menos, e tendo em conta o trabalho árduo que está por detrás da abertura de uma via, temos de respeitar a distância das protecções, encher o peito de ar e ir lá encadeá-las!!!
.
Aqui fica o reportório das que me lembro...
.
Pelo sul, começando na fenda:
.
Rred Curry on rrice (8a) - Situada ao lado esquerdo da famosa quaqua (8b), esta via foi equipada pelo Nuno Pinheiro e pelo Guga. As distâncias entre chapas estão activas e da última para o top a escalada é técnica e fácil, mas à que ir com calma porque a chapa chega a estar a 3 m dos pés quando se chapa o top. Já por lá vi escaladores de renome a chegarem ao top e a gritarem: “Fácil o c....!!!”
.
Oitava comédia (7c+) - É nos últimos metros que a adrenalina dispara e somos confrontados com uma escalada rara de aplates com as chapas longe.
.
UHU (8a) - No passo duro temos a última protecção um metro abaixo dos pés. O segurador tem de dar corda para o escalador cair abaixo do tecto e não se aleijar.
.
Era uma vez (6c) - o famoso "run out" da fenda. Com os bracinhos inchados, se caíres perto do top vens parar à primeira chapa. Muitos foram aqueles que no final da via fugiram para o top da direita que fica um bocadinho abaixo e mesmo à mão de semear. Outros há que já usaram técnicas dissimuladas para fazerem crescer uma chapa entre a última e o top...
.
Tripas à moda do porto (7c) – É a dobrar a barriguinha que se passa medo, os braços vão inchados do 7c de continuidade que está por baixo, mas ainda temos de apertar na dobragem da barriga, com a última chapa bem abaixo dos pés. Muita gente já por lá andou com extensões na expresse de metro e meio.
.
Rantanplan (7b+) – Um clássico! Ali no sector mais famoso da fenda prontinha para ser escalada, mas curiosamente poucas vezes viu por lá escaladores e muito menos encadeamentos...
.
Último voo de nosferatu (7b+) – O nome diz tudo!!!
.
À excepção da primeira, todas as outras foram equipadas pelo Filipe Costa e Silva e Francisco Ataíde.
.
Nas Pedreiras
.
Conan o enconado (6c+) - Passinho duro em que mal se vêem as presas e é difícil determinar a sequência, a chapinha está bem abaixo dos pés, numa placa vertical logo perto do chão, na terceira chapa, só para apimentar a coisa. Equipada pelo Paulo e pelo Nuno.
.
Bate palmas (6c) - Equipada pelo Carlos Pereira e pelo João Gaspar. Da última para o top é emoção na certa, e não se preocupem que o baldo já foi testado pelo equipador!
.
Pinheirinhos
.
Santa Vitória - Uma via de desportiva equipada pelo Filipe. Até ao momento apresenta uma cotação duvidosa, que parece rondar o 8b (ainda à espera de decotação). Tem por lá umas chapas bem distanciadas. Que venha o mais forte encadeá-la!
.
Sesimbra
.
Bailado de elefante (7b) – É um passeio de barriga em barriga com as chapas distantes bem distantes, em ambiente de aventura.
.
Dente de Leão
.
Em geral estão todas equipadas com ambiente. As vias são longas e os tugas são mitras, não se podem gastar muitas chapas por cada via.
.
Vivo bem sem namorada (8a) – Equipada pelo Filipe e pelo Francisco e apenas com um encadeamento.
.
A menina dança (7a) – Equipada pelo Gaspar e Mário. Trata-se de 30 m de placa com as chapas longe.
.
Deixando o sul do Tejo e passando por Sintra.
.
Em Sintra as vias não estão propriamente equipadas com ambiente, mas a verdade é que se passa medo à brava naqueles 6b e 6c de aderência. Talvez seja apenas a falta de hábito neste estilo de escalada ou simplesmente porque temos a sensação que se cairmos vimos a raspar forte e feio parede abaixo. A destacar nesta ilustre lista a via TTMT (6c).
.
Poios
.
Já se ouviram os fortes batimentos cardíacos de alguns escaladores na via Tubarão com pêlo (7a+). A via tinha uma chapa a menos e a distancia nesse passo ficava absurda, fazendo tremer as pernas do mais forte escalador. Uma distracção no sítio e no momento errado poderia levar a queda no chão. Hoje está lá a chapinha e a via passou a ser escalada e encadeada.
.
Buracas
.
Circus (7c+) – Os escaladores que escalam esta via no limite, normalmente não chapam a fita fixa que lá está nos últimos movimentos. A fita está lá para ajudar a chapagem, mas mesmo assim o bloqueio é forte e a chapagem compromete o encadeamento. O normal é não chapar esta última e mesmo assim cair na secção final.
.
Reguengo
.
Pata na Poça (7a) - Vais escalando calmamente e os braços vão inchando na mesma medida em que os metros vão sendo consumidos, de tal forma que podes chegar ao maillon do 7a, sem nenhuma condição para chapá-lo e a última chapa está bem lá para baixo. O baldo é super aéreo e confortável.
.
Sagres, Parede grande
.
Qualquer uma das vias tem ambiente, são 60 m de parede com o mar a bater no fundo, não há magnésio na rocha e por vezes a humidade e o sal nas presas dificultam a escalada. A destacar o Inferno Roxo, em que o segundo largo tem apenas 4 chapinhas e vale 7a+ e a Gula (7c+), à espera de encadeamentos e de escaladores.
.
Serra da Estrela, Corredor dos mercadores
.
Vêm em último, mas bem que podiam vir em primeiro!!! Os famosíssimos V da serra. Equipados pelo Luís Pinheiro, em todos eles se passa um bocadinho de medo, com “run outs” de 4 m, em quintos duros.
.
"A adrenalina, ou epinefrina, é um hormônio secretado pelas glândulas supra-renais, assim chamadas por estarem acima dos rins. Em momentos de "stress", as supra-renais secretam quantidades abundantes deste hormônio que prepara o organismo para grandes esforços físicos, estimula o coração, eleva a tensão arterial, relaxa certos músculos e contrái outros. Quando lançada na corrente sanguínea, devido a quaisquer condições do meio ambiente que ameacem a integridade física do corpo (fisicamente ou psicologicamente, medo), a adrenalina aumenta a frequência dos batimentos cardíacos e o volume de sangue por batimento cardíaco, eleva o nível de açúcar no sangue, minimiza o fluxo sanguíneo nos vasos e no sistema intestinal enquanto maximiza o tal fluxo para os músculos voluntários na perna e no braço e "queima" gordura contida nas células adiposas." in Wikepédia
.
Nota final: Não mencionei o nome dos equipadores de algumas linhas aqui referidas, desde já as minhas sinceras desculpas, mas infelizmente a minha cultura sobre a escalagem tuga ainda é baixa.

6 Comments:

At 08 janeiro, 2007 19:50, Anonymous Anónimo said...

Muito interessante a descrição das vias. Eu (com ano e meio de escalada) sempre achei graça à expressão: "Esta via tem ambiente". Realmente é bem mais simpática e socialmente correcta do que a expressão "Esta via dá um cagaço do caraças". Donde é que veio esta do "ambiente". É alguma tradução de uma expressão estrangeira ou foi a originalidade portuguesa a falar?
RicardoC

 
At 09 janeiro, 2007 10:49, Anonymous Anónimo said...

Ainda falei sobre isto no Domingo com o Mike. :-))
Nós elejemos a UHU Stick (e não foi pela queda que destacaste!!).

RicardoC, não sei qual a origem, mas aqui ficam as principais razões para eu usar a expressão:

Eu digo uma via com ambiente quando...
-não quero ofender o esforço do equipador;
-compreendo as dificuldades financeiras que este atravessa (o que justifica que seja poupadinho);
-não acho apropriado demonstrar que conheço o conceito de medo.

Abraços

R.

 
At 09 janeiro, 2007 14:32, Blogger Chorão said...

Pronto!
Tinha de ser!
É sempre a mesma coisa!
Mais de 15 vias queimadas num ápice!
Todos os projectos que tinha para para fazer à vista em 2007... vem uma caramela dizer onde estão os passos duros e quantas plaquetes e os aplates assim e assado!
Vaiam-se lixar, poças!
Por isso nunca encadeio nada de jeito!

 
At 10 janeiro, 2007 22:10, Anonymous leo said...

Há ainda gente (que eu não posso dizer o nome), que em vias afamadas pelos arejos que têm entre chapas, se atrevem a saltar duas (UMA LOUCURA)!!
Chegaram até a haver boatos de tal insanidade…

 
At 27 janeiro, 2007 22:55, Anonymous Anónimo said...

Aí está a 'adrenalina' de novo:
"Hormona natural segregada pelas cápsulas supra-renais, em resposta aos sinais emitidos pela parte simpática do sistema nervoso autónomo. Este fenómeno fisiológico ocorre em situações de stress, exercício físico ou situações emotivas, como por exemplo o medo. A escalada é uma modalidade em que a produção de adrenalina se manifesta intensamente entre a grande maioria dos escaladores, particularmente em situações de medo pelo receio de queda eminente."

Uhm... 'Situações de medo pelo receio de queda eminente'?!... Nah... Não sofremos disso!... :)

Andreia C.

 
At 27 janeiro, 2007 23:02, Anonymous Anónimo said...

E sobre as 'Vias com Ambiente':
"Considera-se uma via ou passagem com "ambiente", toda aquela que decorre sobre um vazio impressionante, causando algum desconforto Vs fascínio ao escalador/a que a realiza."

Desconforto?!...Maneira suave de dizer 'Cagaço'?...

 

Enviar um comentário

<< Home